Visita guiada do centro cidade

Informações

O preço da visita depende do número de visitantes.
De 1 a 3 pessoas: 130 €
De 4 a 7 pessoas: 150 €
De 8 a 12 pessoas: 180 €

No caso de grupos ou de famílias de dois adultos e duas crianças deverão pedir-nos informações.

Começamos a nossa visita pelo centro religioso de Florença. O centro religioso é a praça Duomo (ou da catedral, que é a maior igreja da cidade).

Este espaço é o ponto de chegada de várias ruas e becos pelos quais é possível apreciar aspetos do incomparável cenário: a magnificência da Catedral, a elegância do Campanil, o classicismo e a harmonia do Batistério.

Todos eles têm, realmente, o efeito mágico de empolgar o turista que pela primeira vez vive esta experiência.

O conjunto destes monumentos é a expressão da riqueza e da ambição duma cidade de mercadores, mas também é expressão de arte e cultura. O Batistério, dedicado a São João Batista, padroeiro da cidade, é o edifício mais antigo de Florença.

Das três portas do Batistério, a mais interessante é a que está em frente da Catedral, chamada, por Miguel Ângelo, 50 anos depois da sua criação, "Porta do Paraíso".

São 10 painéis onde tomam vida 10 histórias bíblicas. Graças à perspetiva, à reevocação do mundo clássico e ao finíssimo trabalho de cinzel valorizado pela douradura, Miguel Ângelo disse que ela merecia ser chamada a "porta do paraíso".

A poucos metros de distância fica a praça mais bonita de Florença: a Praça da Signoria, há séculos o centro da vida política e social da cidade.

O palácio, que ainda hoje é a sede do Município e dos escritórios do Prefeito, domina a praça que, coroada por lindíssimas estátuas renascentistas, se apresenta ao visitante como um verdadeiro museu ao ar livre.

Perto da praça da Signoria fica a ponte mais antiga de Florença: a "Ponte Vecchio", a única que se salvou das minas dos nazis em agosto de 1944. Esta ponte medieval atravessa o Arno no seu ponto mais estreito e é a única sobre a qual se encontram joalharias.

Depois vamos visitar o Mercado Novo, chamado popularmente do "porcellino" porque nele há uma estátua em bronze de um javali.

Todas as pessoas que visitam Florença têm de tocar no porquinho para terem sorte e um dia voltarem novamente a Florença.

Nas barraquinhas deste mercado vendem-se produtos artesanais da cidade.

Voltando para a praça da Catedral vamos ver a igreja Orsanmichele. Esta igreja, que apresenta uma forma retangular inusual, era originalmente um pórtico utilizado como mercado do trigo e de outros cereais. Por volta do final do século XIV foram fechados os arcos do pórtico e ao edifício foram acrescentados dois andares.

Os nichos exteriores da igreja contém 14 estátuas dos santos padroeiros das várias corporações da cidade.

Estamos a chegar ao fim da nossa visita. Perto de Orsanmichele está localizada a praça da República, o coração da Florença romana.

Como última coisa vamos conhecer o bairro franciscano da cidade: a praça de Santa Cruz. Antigamente era um lugar húmido porque o rio passava por aqui e a água abundava. Neste bairro trabalhava-se a pele e a lã.

Hoje a igreja gótica de Santa Cruz representa um lugar de recordações para os italianos e transformou-se no Panteão da cidade.

Nela foram sepultadas as maiores figuras como Miguel Ângelo, Maquiavel, Galileu e Rossini. Ao lado da capela-mor desta basílica encontram-se os afrescos de Giotto, um dos documentos mais importantes da pintura medieval italiana, porque Giotto introduz o sentido do espaço e do realismo que será o aspeto fundamental do Renascimento florentino.